quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O credo do modernista


Lendo o livro "Pode o homem viver sem Deus?", de Ravi Zacharias, encontrei um poema do jornalista inglês Steve Turner, chamado "Credo". Este poema de maneira satirica mostra como a nossa sociedade na busca de um mundo sem Deus tem tentado se apoiar na possibilidade de uma vida moral correta, o que tem se mostrado uma verdadeira catastrofe. Leia e reflita. "Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia" 1 Cor 3:19


Credo

Cremos em Marxefreudedarwin.
Cremos que tudo está bem,
Desde que você não prejudique ninguém,
quanto você possa definir prejudicar,
e quanto você possa saber.
 
Cremos no sexo antes, durante
E depois do casamento.
Cremos na terapia do pecado.
Cremos que o adultério é uma brincadeira.
Cremos que a sodomia é correta.
Cremos que os tabus são tabus.

Cremos que tudo está ficando melhor,
Apesar da evidência contrária.
A evidência precisa ser investigada,
E não se pode provar nada com evidência.
 
Cremos que há algo nos horóscopos,
Nos OVNIs e nas colheres entortadas;
Jesus era um homem bom, como Buda,
Maomé e nós mesmos.
Ele foi um bom mestre de moral, embora achemos
Que o seu bom ensino moral era nocivo.

Cremos que após a morte vem o nada,
Porque, quando você pergunta aos mortos o que acontece,
Eles não dizem nada.
Se a morte não é o fim, se os mortos mentiram,
Então o céu é compulsório para todos,
Exceto, talvez,
Hitler, Stalin e Genghis Khan
 
Cremos em Masters e Johnson.
O que se seleciona é a média.
O que é a média é normal.
O que é normal é bom.

Cremos no desarmamento total.
Cremos que há elos diretos entre a guerra e o derramamento de sangue.
Os americanos deveriam fundir as suas armas e transformá-las em tratores,
E certamente os russos os imitariam.
 
Cremos que o homem é essencialmente bom.
É somente o seu comportamento que o faz cair.
É culpa da sociedade.
A sociedade é o defeito das condições.
As condições são o defeito da sociedade.

Cremos que o homem deve descobrir a verdade
Que é certa para ele.
Consequentemente, a realidade se adaptará.
O universo se reajustará.
Cremos que não há verdade absoluta,
Exceto esta:
Não há verdade absoluta.
 
Cremos
na rejeição dos credos,
E no florescer do pensamento individual.

E então o poeta acrescenta este pós-escrito chamado "Acaso"

Se o acaso
é o Pai de toda a carne,
a desgraça é o seu arco-íris no céu,
e quando você ouvir;

Estado de Emergência!
Atirador Mata Dez!
Tropas Avançam com Violencia!
Brancos Vão à pilhagem!
Bomba explode Escola!

É apenas o ruído do homem
adorando o seu criador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário