terça-feira, 27 de março de 2012

A criação diz que Deus está irado.

Preguei sobre isso no domingo, vou tentar sintetizar o máximo, se quiserem o texto está em Rm. 1:16 a 32.
Primeiro a bíblia nos diz que o céu, a criação revela que existe UM Deus, que o Deus invisível revela seu eterno poder e sua divindade através das coisas visíveis, ou seja, quer ver a grandeza de Deus, o alcance do seu poder olhe para sua criação, toda ela só faz revelar a Deus, mas que essa criação revela que Deus está irado. Porque? Porque os homens pegaram a verdade de Deus e a sufocaram, trocando a verdade de Deus pela injustiça, se tornando rebelados contra Ele e praticando toda maldade contra o próximo, ao invés de o reconhecerem como Deus, e o glorificarem e serem gratos, resolveram raciocinar e filosofar sem leva-lo consideração, por isso seus pensamentos ficaram nulos, seus corações endureceram, suas consciências perderam o discernimento, e preferiram adorar a tudo menos a Deus.
Porque rejeitaram a Deus, o castigo de Deus foi proporcional ao pecado deles, primeiro porque eles desonraram a Deus, Ele os entregou para desonrarem seus corpos entre si, segundo porque mudaram a verdade de Deus em mentira, preferindo adorar a criatura, Deus os entregou ao erro, ao desejo sem controle, as mulheres mudando suas relações intimas que é natural pelo não natural, e também os homens passaram a deixar de querer contato com mulheres para querer outros homens recebendo em si mesmos o castigo de suas escolhas. E por ultimo porque desprezaram a Deus, Deus os entregou a uma disposição mental desprezível, cometendo todo tipo de maldade.


Ou seja, eles disseram não queremos a Deus, nós os desprezamos, então Deus lhes disse, que seja feita a vossa vontade.


Por fim o veredito final de Deus foi que eles sabem que quem comete tais coisas merece a perdição eterna, mas eles não somente fazem, mas batem palmas e aprovam todos os que fazem. 


Se queremos ver o sinal da ira de Deus devemos olhar para o lugar certo, não para a economia, ou os desastres, mas para o pior castigo que o homem pode ter, estar entregue a sua própria vontade.


Mas Deus providenciou um meio para todo aquele que deseja reconhecer a Deus, por isso não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. Toda a gloria a Jesus Cristo que é bendito eternamente. Amém

quinta-feira, 1 de março de 2012

RAÍZES ARRANCADAS


Para reflexão, palavras de Hobart Mowrer, ex-presidente da Associação Americana de Psicologia, professor de Harvard e Yale:


"Durante várias décadas nós, psicólogos, víamos toda a questão do pecado e da responsabilidade moral como um grande pesadelo, e proclamamos a nossa libertação dele como algo que marcaria época. Mas, com passar do tempo, descobrimos que estar livre neste sentido, isto é, ter a desculpa de estar doente em vez da de ser pecador, é cortejar o perigo de também ficarmos perdidos. Este perigo é, creio eu, evidenciado pelo amplo interesse que há no existencialismo, o que estamos testemunhando atualmente. Tornando-nos amorais, eticamente neutros e livres, cortamos as próprias raízes do nosso ser, perdemos o nosso mais profundo senso de identidade pessoal, e com os neuróticos nos vemos perguntando: "Quem sou eu, qual é o meu destino mais profundo, qual é o sentido da vida?"
Em reação ao estado próximo do limbo a que nos precipitamos, de repente nos cientificamos, uma vez mais, do problema dos valores e da sua centralidade nas atividades humanas. Esta tendência transparece claramente em programas de nossas recentes reuniões profissionais, em artigos de jornais e, até certo ponto, em nossos livros didáticos. É evidente que algo verdadeiramente básico está ocorrendo com os psicólogos e com a sua própria imagem."

Sem necessidades de adendos, o texto fala por si.



Fonte: "Sin, the Lesser of two Evils", American Psychologist, 15 (1960): 301-304